sexta-feira, 19 de março de 2010

INTENSIDADE DE UMA BRIGA

Existe aquela famosa lenda urbana que afirma que o melhor sexo é aquele após uma briga, para fazer as pazes. Depois de uma semana repleta de acontecimentos intensos concluí que tal frase não se aplica, necessariamente, somente ao sexo, que nas mais diversas situações uma discussão serve para aproximar as pessoas e estabelecer laços afetivos fundamentais ao cotidiano.

Exemplo perfeito para o que falei são os pais. Seres que foram geneticamente programados para amar seus filhos incondicionalmente, aqueles que suportam todos os tipos de sentimentos e as situações mais absurdas, mas que amam suas proles acima de qualquer estrago bancário ou ataques de nervos que esses possam causar. Nossos pais têm defeitos? Claro, mas não têm a menor importância, não somos filhos perfeitos mesmo. Mas o belo ou o bizarro dessa relação é que os pais podem discordar sobre os mais distintos assuntos de seus filhos, que durante as brigas familiares desejaram morar sozinhos e serem independentes, porém bastam segundos para que a tempestade voe para outras ilhas. Pois é, querendo ou não, são pessoas que estarão ligadas até a morte, serão os espelhos, os confidentes, os rivais, os amigos e, porque não, o maior porto seguro.

Qual é o significado da palavra amizade? Complicado de definir, relativo de pessoa para pessoa, impossível de descrever para alguns e sinônimo de poesia para outros. Em meio a uma conversa com “meu amigo Google” encontrei os mais variados sentidos para a palavra, mas nenhum que transmitisse o que eu queria falar. As pessoas costumam falar que para uma festa é muito fácil reunir milhares de “amigos”, mas que nas situações difíceis da vida, contamos nos dedos aqueles que estiveram ao nosso lado. Assim, acho que amizade é isso mesmo, é poder brigar com a pessoa, gritar e chorar de raiva e sentir-se péssima no outro dia por tudo o que aconteceu. E mesmo com raiva, é “comprar uma briga” pelo outro se qualquer outra pessoa ousar falar alguma coisa sobre ele, é poder cantar em meio a uma aula, ser fútil e inteligente, falar sobre política e coisas obscenas e ser criança novamente. Mas a melhor coisa, é receber um recado escrito “eu te amo” quando menos se espera e saber que, mesmo brigando algumas vezes, aquela pessoa especial estará ao seu lado e que para nutrir tal sentimento, não é necessário muito, mas que bem cuidado torna-se uma segunda família, aquela que escolhemos.

Encontrar aquela pessoa que você desejará passar o resto da vida junto e, mesmo assim, continuar surpreendendo-se com ela ao passar dos anos e sentir-se a pessoa mais feliz do mundo apenas por estar em sua companhia é algo bastante raro. A vida de uma pessoa solteira que vive em festas e conhece pessoas novas todas as noites é perfeita, porém bastante ilusória, pois é ótimo ter vários relacionamentos sem compromisso fixo com ninguém, porém é melhor ainda ter aquela pessoa, não digo qualquer uma, mas aquela que faz o coração bater mais rápido e mais devagar ao mesmo tempo em todos os encontros. Assim, após uma briga em que a vontade de “jogar tudo pro ar” prevalece, não supera os momentos que você não usava maquiagem e sua melhor roupa e mesmo assim ouviu o quanto estava bonita, uma frase que exaltava o quanto a pessoa é especial ou mesmo o desejo do outro em gostar de você da maneira que é, sem mudar o seu cartão de visita, e nada é melhor do que isso!

Nesse resumo de uma semana tumultuada, percebi que a real intensidade da briga entre as pessoas não é separar dois corpos que não podem ocupar o mesmo lugar no espaço, mas colocar idéias opostas em evidências, fazer com que “dois bicudos se beijem”, mostrar a intensidade das palavras e, dependendo do motivo, mostrar a um segundo ou terceiro o quanto tal pessoa é especial, que a amamos demais, mas que não sabíamos como demonstrar isso de maneira menos chocante, ou seja, sem graça.


Obrigada a todos que fazem o meu cotidiano uma inconstante montanha russa de emoções!!!