domingo, 9 de agosto de 2009

TRABALHO DA FACULDADE: DESCREVA SEU PAI EM TRÊS PARÁGRAFOS.



Descrever meu pai, provavelmente, foi o texto mais difícil que já fiz até o momento. Não sei se é porque o pai que eu conheço não é mesmo que meus irmãos conhecem, pode ser pelo fato do engenheiro ser uma pessoa completamente diferente da minha figura paterna ou pelo motivo de não o conhecer ao certo. Ao pensar nessa pessoa me deparo com os mais diversos sentimentos que se chocam e, ao mesmo tempo, são aliados, o que me faz questionar, quem é meu pai?

Mesmo morando em outra cidade, papai se faz presente no meu cotidiano, seja por meio de um telefonema, uma carta, de fotografias ou de situações que, imediatamente, me remetem sua imagem. Foram diversas situações que falei mal dele, mas as que senti sua falta foram maiores ainda. Quando estamos juntos, tenho total liberdade para falar sobre os mais variados assuntos e suas visitas já podem ser incluídas em uma rotina de almoços em família, idas ao cinema, programas caseiros, compras no shopping e jantares em restaurantes. Ele tem seus defeitos, mas tem uma enorme qualidade que é de nunca me negar nada, seja algo relacionado a bens materiais ou até mesmo um grande beijo no rosto e um abraço, isso quando uma mordida no braço não vem incluída nesse pacote de carinho. Se já brigamos? Quase sempre, mas e daí, as grandes histórias foram feitas com muitas batalhas, em que nas nossas algumas já foram superadas e outras estão em processo de vitória, o que me deixa na dúvida se tenho um pai, um amigo ou os dois.

Para muitos ele é o Doutor, o general, o “homem”, o sistemático, o perfeccionista, o chato, o bravo, o ignorante, o melhor engenheiro, o cômico, o bizarro, o explosivo, o contador de casos, o palhaço, o que faz apenas o que quer, o mimado, o que erra, mas que também acerta, o boêmio, o conservador, o melhor na sinuca, o goleiro, o goiano,o meu mocinho e o meu vilão, o pistoleiro, o pescador, o que conheceu vários lugares, o caridoso, o companheiro, o amigo, o que me desafia a sempre a ser melhor, o irritante, o egocêntrico, o piloto, o que coloca a família em primeiro lugar, o responsável, o sem paciência, o empreiteiro, o coroa, o sábio, o cabeça dura, o inteligente, o vivido... Enfim, pode-se defini-lo de diversas maneiras, mas para mim, meu pai é um eterno crianção e uma espécie de porto seguro que engloba tudo aquilo que um pai deve representar para um filho.

Te amo!

( Mariana Tannous Dias Batista)