sexta-feira, 12 de junho de 2009

QUANDO PERDEMOS O MEDO DE AMAR...

Existem pessoas que representam tanto em nossas vidas e outras que não simbolizam absolutamente nada. O quanto é fácil ficar com alguém, é simples se envolver, complicado se apaixonar e como temos medo de amar. Já fiquei com muitos, me encantei por outros, apaixonei por alguns e amei poucos. Tudo isso chega a ser irrelevante diante da grande dúvida... Quem é a pessoa certa? Ou melhor, como saber quem é a pessoa certa?

Há quem acredite naquele velho ditado que fala que “toda tampa tem sua panela” ou simplesmente na idéia que todo mundo tem sua alma gêmea. A tal alma em questão seria aquela pessoa que te deixa a vontade, com quem você se sente bem, é quando se tem a permissão para ser você mesmo e não ser julgado pelos seus defeitos ou, simplesmente, pode-se resumir a alma gêmea em uma pessoa que nos faz feliz. Felicidade essa que não é momentânea, que te deixa com um grande sorriso estampado no rosto, que faz com que você pense na pessoa durante dias e relembre os momentos vividos por muito tempo.

Com a “outra metade” somos capazes de ir aos extremos em questão de segundos, da alegria a tristeza, do amor ao ódio e da paz a confusão. Isso pode ser explicado por meio de uma única palavra denominada “sentimento” que tem o poder de unir e separar as pessoas e de criar e superar os tumultos cotidianos. Quando temos qualquer tipo de sentimentos por outra pessoa estamos sujeitos as mais diversas situações, pois não agimos pensando somente em nós, mas no outro também, em que nos preocupamos com o bem estar, as mágoas alheias tornam-se nossas e temos o desejo de sempre estar perto. Assim, momentos sem grande importância passam a ser únicos e essenciais, conversas irrelevantes são transformadas em grandes confissões e carinhos compartilhados passam a ser necessários, os quais transmitem a idéia de que o mundo poderia acabar naquele momento que você não ligaria porque, naquele instante, você era a pessoa mais feliz que existe.

Depois de muito analisar, chego à conclusão que a nossa alma gêmea, a tampa da nossa panela ou a nossa outra metade não pode ser resumida somente em questões relacionadas ao amor, porque mesmo o amor permite diversas definições. Essa tal pessoa que tanto buscamos, e podemos até ter encontrado e não percebemos devido a uma percepção primária, deve ser aquela com quem passamos pequenos momentos e, mesmo assim, vivemos situações inesquecíveis, ou seja, pode ser um amigo, um irmão, nossos pais, familiares, amores, companheiros... Dessa maneira, percebo que sortudo é aquele que tem uma pessoa para compartilhar os momentos vividos e pode sempre contar com essa, em que tal pessoa só é agraciada com tal sorte quando perde o medo de amar.

Feliz dia dos namorados, dos apaixonados, dos casados, dos solteiros... Enfim, feliz dia daqueles que sabem como viver a vida intensamente!

( Mariana Tannous Dias Batista)

Um comentário:

Dhiego Borges disse...

"Dessa maneira, percebo que sortudo é aquele que tem uma pessoa para compartilhar os momentos vividos e pode sempre contar com essa..."

Deve existir alguma Amanda por ai...
hehehe

Continue escrevendo!
beijoo!